Eleições 2010 – Parte 2

Se você não leu o primeiro post, leia. Depois, pode continuar… 😉

Como é feita a eleição proporcional?

Se quiser ler a explicação na íntegra, clique aqui. Ela está no site de campanha do candidato Jorge Periquito, de Minas Gerais.

Coeficiente Eleitoral

É o número de votos válidos de um Estado dividido pelo número de cadeiras para aquele Estado na Câmara Federal (cada Estado tem um número diferente, de acordo com o número de eleitores). Usando números hipotéticos, vamos supor que um Estado chamado Brasilis possua 100.000 votos válidos e tem direito a 10 cadeiras (o número de cadeiras é pré-estabelecido). Dividindo um pelo outro, o Coeficiente Eleitoral de Brasilis é de 10 mil. Portanto, para se eleger UM candidato, o partido/coligação necessita de 10 mil votos. Logo, para eleger dois, ele precisa de 20 mil votos e assim por diante.

Porém, como são necessários somente 10 mil votos, se um candidato sozinho receber 20 mil votos, esses dez mil “restantes” são automaticamente passados para o segundo mais votado do partido/coligação, somando aos seus votos, não importando quantos o segundo lugar possui. Se receber sozinho 30 mil, os 20 mil “restantes” são passados para o segundo e terceiro mais votados e assim por diante. Portanto, note que os votos vão para o partido/coligação e não, necessariamente, para um só candidato em si. Isso explica porque muitas vezes vemos situações em que um candidato pouco votado é eleito e um muito votado, de outro partido, não. É porque esse que foi pouco votado “puxou” votos de um que foi muito votado. Esses candidatos que atraem muitos votos são chamados de “puxadores de votos” e são fundamentais para eleger candidatos do partido/coligação.

Coeficiente político

Uma vez recebido os votos, o coeficiente político é o número de cadeiras que o partido/coligação receberá. Portanto, no nosso exemplo, sendo o coeficiente eleitoral igual a 10 mil votos, se um partido recebe 30 mil votos, o seu coeficiente político será igual a 3. Portanto, elegerá três candidatos da coligação/partido.

Partido/coligação

A coligação é a união de partidos afins em época eleitoral. Na formação de coligação, os partidos mantêm a sua autonomia e identidade, porém, aqueles que possuem ideologias próximas se unem nas eleições para aumentarem o número de votos recebidos e, assim, aumentarem as chances de elegerem candidatos. Coligações também podem lançar candidatos únicos, como governador e presidente, ao invés de cada partido lançar o seu.

Qual a vantagem da eleição proporcional?

É comum pessoas se sentirem enganadas ao entenderem como funciona a eleição proporcional. Mas isso acontece por sempre acreditarem que o voto para deputados e vereadores também é majoritário. Porém, é de fundamental importância para que se mantenha um equilíbrio dentro das Câmaras e Assembleias. Caso contrário, somente partidos majoritários e com muita verba seriam capazes de eleger seus representantes e, assim, teriam maioria em suas cidades e Estados.

Portanto

Sabendo disso, tome mais cuidado e não vote em qualquer um, como no candidato do primeiro santinho que encontrar no chão. Analise seus candidatos, seus partidos e vote realmente com consciência em quem está disposto a fazer diferença na Assembleia e Câmara.

Ou seja, voto de protesto não existe, nunca existiu. Preste atenção e vote com consciência!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s