O fim de um ciclo…

Nossa Senhora incensou a Jesus Cristo,

Jesus Cristo Incensou aos filhos seus…

Eu incenso, eu incenso esta casa,

Na fé de Oxóssi, Ogum e Oxalá!

 

Hoje este ponto singelo não sai da minha cabeça, desde de manhã. Às 11:00, mais ou menos, recebi a notícia de que nosso amado Mestre havia feito sua passagem… 😦

 

Ontem, quando a página oficial de Rubens Saraceni nos pediu que orássemos para que ele fizesse sua passagem em paz, acendi meu Congá (altar) com lágrimas nos olhos e uma dor terrível no peito. Chorei por quase uma hora pedindo as bênçãos dos céus para aquele que sempre foi luz na Terra. Pedi amparo aos familiares que ficam, à comunidade que choraria sua falta.

Acendi o altar mas não pude ativar a tronqueira… estavam todos quietos lá. Guardiões e Guardiãs em silencioso respeito pela passagem daquele que, enquanto encarnado, foi quem mais os defendeu contra as injustiças que a ignorância semeia no mundo. Pediram-me mentalmente que os deixasse na penumbra… que não abrisse as cortinas nem acendesse as velas porque estavam de luto. Eu respeitei a dor deles, que também era minha.

Entendam: saber que a vida continua não nos exime de sentir saudades de alguém que se vai deste mundo. Somos todos humanos e a dor também nos visita.

Chorei ajoelhada frente à luz que se formou no altar. Eles estavam, e estão, em festa. Sentia-me pequena e egoísta por chorar daquela maneira… fui me acalmando e então sentei-me no banquinho baixo de madeira. Pedi mentalmente à minha amada vozinha que nos ajudasse a suportar a partida do Mestre. Ela sorriu marota, disse que o “menino do arco-íris” estava bem, que a Aruanda iria recebê-lo em festa, que eu sossegasse meu coração porque tudo ficaria bem… chorei mais ainda, e então fui me recordando da risada do Mestre Rubens.

Comecei a me lembrar nitidamente da risada dele. Mestre Rubens gostava de “brincar” e dizer “besteiras” em aula… muitas. E depois, ele ria… ria a valer. Às vezes ria tanto que perdia o ar… ahahahaha… era impagável! Nós ríamos junto, claro, porque a alegria dele era contagiante. Depois ele ficava sério e dizia “isso fica aqui entre nós, tá?”… e ria de novo. Para quem prestasse realmente atenção, entenderia que cada piada, cada comentário, na verdade tinha sempre um fundamento por trás, um ensinamento. Muitas vezes notávamos as nuances, as mudanças que ocorriam a ele em aula. Era palpável, para quem prestasse atenção, os momentos em que ele nos transmitia mensagens diretamente de guias e orixás, guardiões e guardiãs. Impossível não sentir-se um privilegiado ao assistir a esses momentos.

Em 2012 tive o prazer inenarrável de sagrar-me Sacerdotisa de Umbanda Sagrada sob o seu comando… e foi a Umbanda Sagrada que Pai Benedito de Aruanda nos deixou, através de seu maior médium Rubens Saraceni, que hoje pauta cada um dos meus dias. É nesta Umbanda que eu cresci como pessoa, como médium, como Maga. Foi nesta Umbanda que eu batizei a minha filha que, por milagre desta mesma religião, pôde nascer do meu ventre já desenganado pelos médicos da Terra.

Foi na Umbanda Sagrada, de Pai Benedito e Mestre Rubens, que eu me achei, que eu cresci, que eu reuni minha família, e que hoje eu tenho o prazer imensurável de servir a Deus e aos meus semelhantes com gratidão e carinho.

Mestre Rubens, nosso Pai Amado, é hoje luz na Aruanda. Mas, ainda assim, continuará sendo luz nos nossos corações – a cada aula ministrada no Brasil e no mundo, a cada livro lido aqui ou em qualquer lugar, a cada magia iniciada em favor do próximo, a cada fundamento ministrado e explicado com propriedade, o teu legado, Mestre, há de continuar sendo luz aqui na Terra também.

Este post não tem a intenção de homenagear a memória de Mestre Rubens Saraceni, simplesmente porque eu acho que não importa o que eu escreva, vai ser pouco perto da dimensão do trabalho e da doutrina que ele nos deixou aqui na Terra. Então este post é para deixar registrado no Tempo e no Espaço o meu agradecimento e o meu débito a este Mestre que mudou a minha vida e a minha fé. Mudou o meu conhecimento de mim mesma, do Universo e de Deus. Me ajudou a evoluir mais e melhor simplesmente pelo exemplo de sua postura e pelo conteúdo de sua obra.

Que nosso amado Pai Olorum te cubra de bênçãos. Que nossa amada Mãe Yemanjá te receba em sua barca diamantada e te dê momentos de descanso depois de tão árdua missão no mundo. Que nosso Pai Ogum Megê te abra os caminhos da evolução, agora na pátria espiritual. Que tua família consanguínea seja consolada dentro das possibilidades que o momento possibilita.

Que hoje todos saibam que a Umbanda chora a tua falta nesta nossa dimensão. Que tua seja a Paz da missão cumprida e dos bons frutos semeados.

Saudades, Mestre. Saudades sempre. Nós não vamos nos esquecer do teu sorriso, da tua alegria, dos fundamentos que o senhor semeou em vida. Até a próxima…

mestre rubens

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s