Onde você deposita a sua fé?

O post de hoje é longo. É longo e é uma mistura de fragmentos de informação que me foram passados durante os últimos 10 dias, mais ou menos.

Primeiro, eu quero deixar bem claro que eu não sou conspiracionista. Ou seja, eu não sou do tipo que vê conspiração e um propósito escuso em tudo que ocorre no mundo.

Mas, por outro lado, eu sou uma pessoa crítica, inteligente (a meu ver), que já leu muito, já viajou muito, e já viu muita coisa por aí – tanto do lado de cá, quanto do lado de lá.

Ainda assim, acima de tudo que eu vou expor aqui, há uma coisa mais importante e mais viva que tudo: Deus e minha fé Nele.

Dito isso, sentem-se e enjoy the ride!

∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞ 

No final da semana passada me deparei com o link do filme ÁGORA, produção holywoodiana que conta com Rachel Weisz no papel principal interpretando Hipátia, a famosa filósofa e matemática grega que defendeu bravamente a grande biblioteca de Alexandria.

O filme, romanceado, conta os bastidores da vida de Hipátia, de seu servo Davus, e de Orestes, um de seus discípulos. Ambos apaixonam-se por Hipátia durante a emergente horda de cristãos que causam todo o tipo de discórdia e matança na antiga Alexandria, já dominada pelo grande império Romano.

Eu sugiro que assistam ao filme legendado aqui – são 2 horas de bom entretenimento, no mínimo. Mas, antes de assisti-lo, vamos a algumas ponderações.

Ontem à noite tive o prazer de assistir a esta entrevista com David Icke. Por mais que muito do que ele diga seja pautado numa visão mais, digamos, “materialista” de mundo; e levando em consideração que os ingleses e americanos não possuem, em nenhum nível, esta convivência que nós brasileiros temos com a espiritualidade, e por isso dão nomes dos mais esdrúxulos a simples situações de obsessão (seja ela espiritual, vibracional, energética, material, ou todas juntas), ele apresenta fatos e dados importantíssimos e muito relevantes para todos aqueles que sonham com um mundo mais igualitário, humano e decente.

Comentemos cada uma das 7 partes da entrevista (cada uma delas com cerca de 15 minutos de duração).

∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞

Parte 1 – Tudo é energia, tudo vibra.

David explica, nas palavras dele, que nossa vida dita “material” não passa de um holograma fictício, um mundo baseado no espectro de luz visível que nosso cérebro físico consegue decodificar.

Em outras palavras, a verdadeira vida não é esta aqui. Nós ESTAMOS físicos, nesta densidade, experienciando um corpo, uma vida neste planeta. Mas nós somos LUZ, energia, centelhas criativas emanadas diretamente da Fonte, de Deus. Quando assistirem, traduzam as palavras de David para a realidade espiritual, e vejam como tudo se encaixa. Vejam como todos nós falamos da mesma língua, utilizando termos diferentes.

Sugiro a leitura do Livro das Energias e da Criação, de Rubens Saraceni, para complementar o estudo.

Parte 2 – O lado negro da força

Nesta segunda parte, David faz alusão aos Arcontes, nome dado aos senhores do “submundo” pelos antigos gnósticos, neste caso nomeadamente encontrados em escritos que foram salvos da Grande Biblioteca de Alexandria, quando de sua distruição e do assassinato de Hipátia (por isso o link do filme no início do post). Os Arcontes, segundo os gnósticos, são seres não-humanos (David e muitos conspiracionistas os chamam de reptilianos) que vivem e se alimentam de nossas energias de medo, stress, mágoas, rancor, raiva, etc., ou seja, alimentam-se de energias negativas.

Traduzindo em miúdos, as grandes hierarquias do submundo astral, muito bem estruturadas e devotadas 24 horas por dia a não permitir que nem uma alma sequer neste mundo evolua e lembre-se de sua herança divina. E sim, eles alimentam-se de nossas energias negativas, de nossos medos, de nossas mágoas e rancores. E mais que isso, utilizam-se delas para criar os mais variados tipos de situações (David chama-as de holografias) para que nós não tenhamos tempo de nos preocupar com o que realmente importa: nossa essência, nossas almas, nossa vida real – a vida do espírito.

Aqui eu sugiro a leitura do livro A Marca da Besta, livro 3 da Trilogia das Sombras, de Robson Pinheiro. Atentem para o fato de que os hierarcas destas hordas de espíritos negativos se auto-intitulam “Dragões” que, sendo bem simplista, nada mais são do que répteis com asas…

Parte 3 – Devemos SABER e não PENSAR

Já é sabido em muitos ramos espiritualistas, cito principalmente o Budismo, que o coração é o verdadeiro motor do nosso corpo. O coração SABE, enquanto nossa mente meramente decodifica informações. No entanto, belíssima a explicação de David sobre como, a partir de um certo momento na história da humanidade, nós deixamos de SABER e passamos e PENSAR. O ser humano deixou de concentrar sua energia no chackra coronário e passou então a concentrar tudo no chackra esplênico, o processador das emoções no corpo. A partir daí, nós não sabemos mais, nós perdemos a conexão com o divino, com nossa centelha, com nossa essência que SABE tudo, vê tudo, compreende tudo, e passamos a processar informações puramente emocionais através de nosso cérebro físico, uma máquina falha que só consegue lidar com situações pré-existentes e que por isso entra num círculo vicioso de reações repetitivas e auto-destrutivas. David compara esse círculo vicioso a computadores e seus programas – fomos, até certo ponto, PROGRAMADOS desde a mais tenra idade a deixar de lado o coração que SABE, nossa essência, e nos vincular à mente, àquilo que nossa percepção de realidade física (que é diminuta se comparada à realidade espiritual) consegue processar.

Se quiser saber mais sobre o assunto, veja o filme Thrive no YouTube.

Parte 4 – Criam-se problemas, reações e soluções

David então nos diz mais. Ele nos apresenta aquilo que a mídia comercial não quer que ninguém saiba. Atentem para a história que ele cita de Muammar al-Gaddafi. O “ditador terrível” que foi morto pelas forças das Nações Unidas porque estava “matando seu próprio povo”. Depois procurem pela internet a versão real dos fatos e verifiquem a entrevista dada por John Perkins, que se intitula um economic-hitman (um matador de aluguel de economias).

A história da humanidade é permeada de episódios do gênero – uns poucos dominando civilizações inteiras. Sim, esse tipo de gente existe. Mas, embora eles se achem todo-poderosos e senhores da situação, movendo-nos como peões em um tabuleiro de partida já ganha, a verdade é que eles são somente a ponta do iceberg. Ligados a estas pessoas, estão hierarquias e mais hierarquias de seres trevosos incansáveis e inteligentíssimos que banqueteiam-se a cada assassinato perpetrado, a cada mentira contada, a cada roubo, a cada criança que chora sem assistência. São eles os grandes vilões da história. Por isso é importante que cada um de nós se dê conta de sua herança divina pois, como explica David sobre os “hologramas”, nós todos somos parte de um enredo maior. O todo reflete as partes, e as partes refletem o todo. Se nós estamos em conflito individualmente, nosso mundo continuará em conflito. Se nós temos medo individualmente, nosso mundo continuará vivendo no medo. O que está no micro, repete-se no macro, já dizia Hermes Trimegisto.

Parte 6 – O início da solução

Acompanhe o raciocínio do David quando ele explica que não se pode continuar na zona de conflito. Compreenda que é preciso mover nossa percepção de realidade mudando nosso ponto de atenção desde o cackra esplênico de volta ao coronário. O que corresponde dizer: ao invés de REAGIR às emoções, vamos AGIR com sentimento, porque o coração SABE. É no coração que mora nossa centelha divina, nosso corpo átmico, nossa chama trina, aquela inquebrantável e indissolúvel morada do Criador em cada um de nós.

Depois, jogue fora todas as suas crenças baseadas num Deus punitivo e exterior a você – verifique que foi esse sistema de crenças que causou as maiores atrocidades já perpetradas pelos seres humanos neste planeta, e continua sendo assim até hoje. Deus, a Fonte, não é nada disso. Ele é energia em constante criação e movimento. E ele é VOCÊ. Lembre-se que o todo mora nas partes que o compõem. Se a Fonte é tudo, então cada um de nós somos a Fonte. Nós somos as Criadores em estado de dormência, iludidos, medrosos, achando que esta realidade material é tudo o que existe. Mas não é!

De novo, percebam como agem os chamados Parabolanos no filme Ágora. Percebam o terror, a dominação, a crueldade – isso pode realmente provir de um Deus onisciente? De uma Fonte de amor inesgotável?

Aqui eu sugiro a leitura dos livros O Guardião da Meia-noite, de Rubens Saraceni; Paraíso sem Adão, de J.W. Rochester; e (porque não?) Isabel, por Amor e Lágrimas, de minha autoria.

Parte 7 – O porvir

Ouça com atenção quando David diz “livre-se de seu sistema de crenças”. A sua crença não é você. A sua profissão não é você. A sua religião não é você. A vida que você leva não é você. Você é consciência suprema, luz, energia condensada na forma física, tendo uma experiência material. A sua crença, a sua profissão, a sua vida, a sua religião, são a experiência que o seu verdadeiro Ser está vivenciando. Com que intenção? A intenção é uma só: aprender, evoluir, voltar a SABER. Mas como evoluir se você tolhe as suas opções ao dizer “isso não”, “isso pode”, “isso sim”, “isso não pode”? Pare e faça como David sugere: escolha uma folha de papel em branco e ali deposite tudo aquilo que você SENTE ser real. Converse, leia, conheça, investigue. Verifique antes de dizer: “não pode ser, isso não é real”. E preste atenção quando David salienta que “esta força, este poder que nos manipula é tão somente o nosso poder do qual nós abrimos mão”. Quando você quiser de volta as rédeas da sua vida, quiser realmente ser responsável por aquilo que você vive, pensa, fala e age, neste momento, o poder estará de volta nas suas mãos.

∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞

E, por fim, eu deixo aqui duas reflexões que eu gosto muito:

Não existe fé sem estudo, sem conhecimento. Fé sem conhecimento é vazio. Na primeira pedra do caminho, ela se quebra em mil pedaços.

Por Vó Benedita de Aruanda

A dúdiva é algo bom, é importante. Mas quando a dúvida suplanta a sua fé, ela te paraliza. E isso é ruim, porque uma das leis da Vida é a evolução constante. Então, duvide, mas mantenha sua fé acima de suas dúvidas, ou você ficará parado no meio do caminho.

Por Seo Tranca-ruas das Almas.

E lembre-se: Fé é um SENTIMENTO, um Sentido da Vida, e portanto ela mora no seu coração. Religião não é fé, religião é simplesmente o veículo com o qual você escolhe exteriorizar a sua fé. Cuidado com as escolhas que você anda fazendo… 😉

Anúncios

As Cartas de Cristo – para Download

Há alguns meses comecei a publicação das Cartas de Cristo aqui no blog. Era um trabalho que demandava muito tempo, pois cada carta foi dividida em inúmeros capítulos e eu tinha que copiá-los e formatá-los um a um para posterior publicação. Com o trabalho diário e os cuidados com a família, isso ficou cada vez mais complicado de se fazer.

No entanto, a Almenara Editorial, tradutora das Cartas para o português e detentora dos direitos no Brasil, publicou todas elas para download aqui.

Não deixe de visitar o link e fazer o download de todas elas. Carregue no seu laptop, tablet ou celular. Vá lendo gradativamente os importantes ensinamentos que só poderiam partir de uma mente há anos luz de distância e evolução de nós próprios.

Este é o meu presente de Ano Novo para todos vocês. Que nós possamos ver e entender a verdade do Cristo em 2013. Que nós possamos finalmente viver em paz e harmonia duradouros.

Feliz 2013!

Muda, oh, Homem!

Houve um tempo em que magia, ciência e espiritualidade eram três aspectos de um único estudo. O mago nada mais era do que aquele que compreendia como a realidade poderia ser alterada através de sua vontade, do uso correto de certos elementos físico-químicos, e de certos Verbos programadores e iniciadores de ações.

Grandes avanços, tanto tecnológicos quanto espirituais alcançaram-se. Mas o homem tornou-se cego e surdo às palavras de seu coração. Ansioso por mais e mais poder temporal, deixou de lado a variável que dava equilíbrio, justiça e senso a tudo o que fazia e falava – esqueceu-se cada vez mais que era um espírito em ascensão e focalizou sua busca naquilo que era material e finito.

Fez-se o desequilíbrio. O triângulo da alta magia foi quebrado – antes mente, matéria e espírito, passaram-se ao estudo de somente dois destes elementos. Mais e mais afastaram-se das verdades eternas e da Fonte que os havia criado.

O Homem esqueceu-se que a Vida é equilíbrio. A Vida é Magia. Sem o equilíbrio necessário para a sustentação da magia da vida, tudo se desagrega. O Ser deixa sua integralidade e passa a vagar pelo mundo feito um autômato, embriagado pelos prazeres que sua vida, cada vez mais curta, pode proporcionar-lhe.

Pobre do Homem. Pensa estar em si a resposta para tudo, mas quando olha para dentro, sente-se vazio. As respostas não estão mais lá, pois há muito deciciu cortar, por vontade própria, sua conexão com a Fonte. Vê a tudo como extraordinário, nega a tudo que sua “ciência” finita e embrutecida não consegue explicar em sua miopia constante e exagerada.

Até quando esses “grandes homens” julgar-se-ão acima do bem e do mal? Esquecem-se que já houve, nesta Terra, muitos outros “grandes”. A todos foi dado o mesmo fim – a cova fria e profunda, a noite das esferas negativas vinculadas a este orbe. Muitos ainda lá estão, aguardando nova oportunidade para reverterem o mal causado durante séculos, muitas vezes milênios.

Oh, Homem! Pára enquanto há tempo. Olha para o lado e estende a mão ao irmão que chora de fome e sede. Dá dos teus bens a quem precisa, abre teu coração a quem sofre. Faz de tua vida o ministério do mágico viver, e verás o quão grande tu és! Abre os olhos agora, Homem, enquanto ainda os tem para ver. Estende teus braços em auxílio enquanto ainda os controla com desenvoltura. Não espera chegar o tempo em que tudo será tirado de ti, em que somente o choro será teu companheiro e a dor tua mestra.

Que farás do ouro acumulado quando nada mais houver que sacie tua fome e tua sede? Que uso terá a seda e o fausto quando teu corpo se encher das chagas incuráveis de teu ódio e de teu egoísmo?

Chega, Homem! Aprende que não importa o que faças ou digas, não é tua a Lei que impera no mundo. Aprende que antes de serdes Senhor do mundo, hás de ser senhor de teus medos, de teus anseios, de tua volúpia, de tua maldade. Domina a estes antes de querer o domínio de um centímetro sequer neste mundo, pois tudo o que usas e detens aí tem Dono – a Inteligência Suprema te vigia e há de cobrar-te!

Os tempos são chegados. Muda, Homem! Muda e mudarás o teu mundo! Transforma tua realidade. Faz de tua casa o paraíso na Terra enquanto ainda há tempo!

Adonai.

As Cartas de Cristo – Parte 79

Carta 5 – Parte 16 – O CONFLITO COM O EGO E A LIBERAÇÃO AO PODER CRIATIVO PAI-MÃE/VIDA

(clique para ler no site do STUM)

Eu vi que o “PECADO” era um conceito artificial, convenientemente idealizado por homens para descrever qualquer atividade humana que causava dor a outros. Era inevitável que todos os seres humanos, em algum momento, causassem algum tipo de aflição ou dor a outros por causa de sua tendência natural de “arrebatar” as coisas dos demais e de repelir com rudeza aos demais, a fim de conseguir o que querem da vida. Essa propensão humana de ferir os outros em nada “ofende” a CONSCIÊNCIA UNIVERSAL (Deus) – como afirmaram a religião Judaica e Cristã.

Somente a humanidade poderia compreender o significado da palavra “pecado”, uma vez que somente a humanidade e “toda a criação que está submetida ao ser humano” conheceria a dor, a privação e a miséria causados pelos dois IMPULSOS fundamentais da INDIVIDUALIDADE – Ligação – Rejeição – que estão ativos na “personalidade” humana.

O impulso inerente ao homem para proteger a sua própria individualidade o tinha feito estabelecer normas e leis para a sociedade humana. O “Poder Criativo Universal” – AMOR – não tinha absolutamente nada a ver com o estabelecimento de restrições, limitações, leis e juízos humanos.

Eu também vi que:

O “Poder Criativo Pai – Mãe” – VIDA – fluía continuamente através de todo o universo, e era a vida em minha mente, utilizando os impulsos gêmeos de pensamento e sentimento.

Assim, qualquer poderoso “pensamento ou sentimento imperfeito” podia alterar e mudar o “padrão de CONSCIÊNCIA” das coisas criadas.

Por outro lado:

Meu “pensamento”, quando estava completamente purificado dos impulsos gêmeos do “ego” – e totalmente receptivo ao “Poder Criativo Pai – Mãe” INTELIGÊNCIA/AMOR, reintroduzia a condição de “AMOR PERFEITO E INTELIGENTE”.

Consequentemente, uma condição que previamente tinha sido construída de modo imperfeito, como resultado de um “pensamento imperfeito”, podia voltar a uma condição de “Plenitude”, mudando as atitudes e pensamentos egocêntricos para aqueles de AMOR INCONDICIONAL.

Minha mente era um “instrumento” do processo criativo total originário no UNIVERSAL.

Agora, eu que sabia que isso era assim – sabia espiritual, intelectual e emocionalmente, dei-me conta de que eu podia e devia dar passos para superar os IMPULSOS GÊMEOS do EGO que anteriormente governavam minha mente, com o fim de permitir que a REALIDADE DIVINA tivesse plena liberdade através de minha mente e meu cérebro.

Por isso houve uma luta entre o meu resistente Ego humano e minha “Consciência Pai – Mãe”, durante as estridentes tentações que experimentaria ao final de minha iluminação no deserto. Satanás não teve nada a ver com o cabo-de-guerra que ocorreu dentro de minha consciência.

A guerra foi travada entre os IMPULSOS GÊMEOS da INDIVIDUALIDADE – Ligação – Rejeição e a REALIDADE DIVINA que se fez conhecer para mim, como AMOR e VIDA INTELIGENTES Transcendente, mas ainda dentro de mim, que progressivamente absorveria minha individualidade cada vez mais, se eu meditasse continuamente e purificasse a minha consciência dos impulsos egoístas.

O que expus é uma descrição do conhecimento poderoso com o qual voltei a Nazaré.

Assim, o meu tempo de cura física, passado com minha mãe até que eu me restabelecesse, também foi um tempo de oração e de meditação, do qual extraí a inspiração e a força para consciente e conscienciosamente viver a NATUREZA do DIVINO ou REALIDADE UNIVERSAL.

Como você sabe, a NATUREZA do DIVINO, ou REALIDADE UNIVERSAL, é VIDA.

Quando ELA está ativa na criação – ou também podemos dizer – na “individualidade” da criação, ELA cresce, nutre, alimenta, regenera, cura, protege, assegura a sobrevivência, satisfaz as necessidades de tudo que foi criado, – tudo dentro de um sistema de perfeita harmonia, cooperação, lei e ordem. Esta é a “natureza” da VIDA. Toda a sua obra na criação se realiza de acordo com a NATUREZA UNIVERSAL – e a promoção do bem mais elevado de todos os seres vivos.

Se você pode compreender estas palavras perceberá porque voltei do deserto como um homem cheio de alegria, com um novo entendimento da beleza do mundo, com um sentimento de absoluta confiança e SABENDO que era possível controlar a aparência da “matéria”. Você sentirá comigo a euforia que senti por poder oferecer aos Judeus a gloriosa notícia de que o “Reino dos Céus” estava dentro deles. Tudo o que eles tinham a fazer era “encontrar” isso com a minha assistência, e suas vidas mudariam para sempre.

Deixo você com o mesmo conhecimento, o qual usado em oração e plenamente compreendido, pode mudar o curso da sua vida.

À medida que você ler, a sua consciência será elevada e ao buscar inspiração – ela virá até você.

Desejo que você compreenda, aspire, cresça e alcance. Relaxe em minha LUZ, pois, enquanto você lê, reflete, medita e ora, é absorvido em minha CONSCIÊNCIA CRÍSTICA, a qual se tornará cada vez mais clara para você ao e evoluir no Conhecimento Divino.

Que meu amor e minha fé em sua crescente sabedoria o envolvam.

As Cartas de Cristo – Parte 78

Carta 5 – Parte 15 – CRIANDO MATÉRIA E FORMA INDIVIDUAL

(clique para ler no site do STUM)

Agora é o momento de levá-lo de volta às minhas experiências no deserto, descritas na Carta 1.

Você deve lembrar que, quando fui ao rio Jordão para que João Batista me batizasse, eu era um rebelde, totalmente contrário aos ensinamentos dos Judeus que afirmavam que Jeová castigava os homens por seus pecados. Intuitivamente, sentia que aquele era um conceito falso e cruel, e o rejeitava.

Depois que me foi mostrada a Verdade sobre a criação, não podia compreender por que a Consciência Perfeita não criava seres perfeitos feitos à imagem de seu Criador Amor Inteligente.

Perguntei ao Criador – a “Consciência Universal” – por que a humanidade suportava tanto sofrimento e maldade. Então me foi mostrado com toda a clareza que todos os problemas que os humanos experimentavam surgiam do “ponto central” do eu (que a ciência agora chama de “ego”).

Este manifesta a si mesmo na “personalidade” como uma NECESSIDADE IMPULSIONANTE para defender-se da crítica ou do ataque físico/emocional, e uma NECESSIDADE IMPULSIONANTE semelhante de se afastar dos demais para chegar primeiro na corrida da vida.

Também se manifesta na “personalidade” como uma NECESSIDADE IMPULSIONANTE de adquirir tudo de melhor para si mesmo, apesar da oposição dos demais, e uma NECESSIDADE IMPULSIONANTE semelhante de agarrar-se às suas posses pessoais, sejam elas parentes, amigos, bens materiais ou conquistas, a despeito de toda a oposição.

Também me foi dado compreender que sem estes DOIS “impulsos do ser criativo” , fundamentais, eternos e inalteráveis, não haveria nenhuma criação.

Este é o segredo da criação – o segredo da existência e do “ser individual”.

Ao trabalharem juntos como equipe no mundo visível, separadamente, porém inseparáveis, estes impulsos gêmeos foram os meios pelos quais a substância da “matéria” em si foi criada desde a sublime “CONSCIÊNCIA UNIVERSAL”.

Um impulso de criatividade é o “Eu superior” da ATIVIDADE.

Este impulso de atividade é universal e procede de uma só fonte.

“Atividade” é um movimento na CONSCIÊNCIA, e CONSCIÊNCIA em movimento.

O outro impulso criativo possui, em sentido figurado, duas faces olhando em direções opostas. Elas são:

LIGAÇÃO – REJEIÇÃO

Puxar para >>>>>> o eu <<<<<< afastar desde

também conhecido como

ATRAÇÃO – REPULSÃO

Atrair para >>>> o EU <<<<<<< repelir desde

na CONSCIÊNCIA.

Estes são os ÚNICOS meios pelos quais a existência terrena é realizada.

O universo inteiro é uma manifestação do “Poder Criativo” ativo nestes Impulsos Gêmeos do SER FÍSICO – criando “matéria” e forma individual.

Este é um dos “segredos” fundamentais do universo.

Eu vi que o “núcleo” da “Personalidade” ou “ego”, como agora é chamado, tinha sido criado como:

“O GUARDIÃO da PERSONALIDADE” e estava irresistivelmente gravado com o impulso magnético para assegurar a PRIVACIDADE e SOBREVIVÊNCIA, para proteger a condição do “Eu superior” individual.

Isso foi conseguido usando as duas faces do segundo Impulso do Ser LIGAÇÃO – REJEIÇÃO para assegurar a individualidade.

A face da LIGAÇÃO arrasta, extrai, atrai, exige, puxa, compra, agarra, se prende às pessoas e às posses que busca. Esse IMPULSO cria uma ilusão de segurança nas relações e nas posses. É o “instrumento” da “CONSCIÊNCIA MÃE” que inspira a construção de famílias, comunidades e nações. Ele pode produzir beleza, alegria, harmonia e amor. Ele também pode destroçar vidas e destruir comunidades quando é “dirigida pelo Ego”.

A face da REJEIÇÃO repele, joga para o lado, afasta, evita todas as coisas – pessoas, animais, posses – que ela não queira. O IMPULSO de REJEIÇÃO cria a ilusão de intimidade e segurança. Esse é o IMPULSO que promove as rupturas nas famílias, nas relações, nas comunidades e nas nações. Ele é supostamente orientado para salvar vidas, assegurando proteção e intimidade, mas é uma força destrutiva quando seu direcionador é o “Ego”.

Sem esses dois IMPULSOS GÊMEOS do SER, todas as coisas permaneceriam sempre mescladas umas às outras na eternidade imutável do “PODER CRIATIVO UNIVERSAL” em equilíbrio.

Sem esses IMPULSOS GÊMEOS, não haveria nenhuma interação entre “dar e receber” e “puxar e empurrar”, necessários para a criação de milhões de experiências pessoais, a partir das quais avança e evoluciona a “personalidade”.

Portanto, o problema da “personalidade dirigida pelo ego”, do qual padecem todas as coisas vivas e a humanidade, era e é um fato irrevogável e inevitável da criação. Qualquer outraexplicação é puro mito.

Eu vi que o que os homens chamam “PECADO”, era o resultado direto da interação dos impulsos de Ligação – Rejeição na natureza humana.

Os Impulsos de Ligação – Rejeição constituem o disfarce emocional/mental utilizado por todas as entidades individuais criadas, incluindo as aves e os animais. Você vê esses impulsos funcionando em toda a natureza – inclusive na vida das plantas.

Os Impulsos de Ligação – Rejeição dirigiam/dirigem o comportamento em direção à sobrevivência de todas as entidades na criação.

Não houve nenhuma escapatória dos Impulsos de Ligação – Rejeição.

Esses Impulsos Gêmeos foram a fonte efêmera de todo o conforto “mundano”, prazer e “felicidade”– e também a fonte de toda enfermidade, miséria e privação no mundo.

Entretanto, além disso – subjacente, transcendendo e interpenetrando tudo, estava/está a VIDA – nascida da EXPLOSÃO da CONSCIÊNCIA UNIVERSAL, sendo o próprio fundamento e fonte da consciência terrena – assim como a Consciência “Pai – Mãe” é criativa, também o PENSAMENTO do homem é criativo, pois “o pensamento e o sentimento” são o exercício e a união dos instrumentos gêmeos da Consciência “Pai – Mãe”.

Desse modo, esses impulsos de “Ligação – Rejeição” na personalidade individual tornam-se também altamente criativos, na medida em que determinam – e tornam visíveis – as “formas de consciência” das coisas desejadas” e das “coisas rejeitadas”.

Este é o segundo “segredo” fundamental do Universo.

 

As Cartas de Cristo – Parte 77

Carta 5 – Parte 14 – OS IMPULSOS PAI/MÃE COMO BASE DA VIDA

(clique no site do STUM)

A criação é o produto dos IMPULSOS PRIMÁRIOS funcionando de maneira individual e em conjunto – causando impressões um sobre o outro, satisfazendo necessidades inerentes gravadas na consciência. Essas necessidades são, de início, as de aumentar e experimentar a autoexpressão, levando em seguida a uma maior separação, para restaurar um sentido de segurança interna e de conforto – e ser reunido na harmonia da CONSCIÊNCIA UNIVERSAL. Dessa força impulsora para uma harmonia reunida do ser, veio o impulso masculino-feminino de reunião para recuperar a bem-aventurança que está oculta na consciência da alma.

Você poderia fazer uma analogia do parágrafo anterior com o hábito dos pais de saírem para trabalhar de manhã e voltarem esperançosamente à noite para o conforto e reunião familiar, onde eles repõem as forças para aventurarem-se a sair novamente na manhã seguinte e enfrentar o mundo.

Portanto, o processo de criação da AUTOEXPRESSÃO UNIVERSAL, levou bilhões de anos no tempo para cumprir-se.

Depois do Big Bang, o Processo Criativo Pai – Mãe dividiu-se em duas energias diferentes que continuamente trabalharam separadas e em conjunto, independentes mas mutuamente retidas, para funcionarem juntas, tendo características ou “naturezas” individuais – e diferentes funções. Portanto, a sua carga de trabalho foi/é diferente, ainda que indivisível.

Você já sabe, e por um processo de meditação deve ter entendido plenamente, qual a “natureza” do ”Pai” e da ”Mãe” no equilíbrio da Dimensão Universal. Brevemente, a “natureza” do “Pai” é a de ser ativo, criativo e de realizar a obra da criatividade. Também é uma condição do “Eu original” e da existência individualizada. Todo ser vivo, desde uma bactéria até um hipopótamo, tem um forte sentido de “Eu original” e a necessidade de protegê-lo.

A “natureza” da “Mãe” é a de dar forma ao “plano” da consciência elétrica iniciado pelo “Pai Inteligência” unindo as partículas elétricas.

A consciência “Pai” e “Mãe” – os IMPULSOS PRIMÁRIOS – estão ambos em equilíbrio – e são da NATUREZA da DIMENSÃO UNIVERSAL e, consequentemente, quando eles criam a forma individual, levam ao final a obra da NATUREZA da DIMENSÃO UNIVERSAL. Esta é: Crescimento – Prover alimento e nutrição – Cura – Proteção – Satisfação das necessidades em um sistema coerente de Lei e Ordem… SOBREVIVÊNCIA.

As energias de CONSCIÊNCIA “Pai” e “Mãe” são IMPULSOS, ambos retidos na DIMENSÃO UNIVERSAL e, quando são liberados do equilíbrio, realizam poderosamente a obra da criação. Além disso, considere a magnitude de sua obra na criação por todo o mundo. Os impulsos “Pai/Mãe” impulsionam cada nível de criação desde a formação dos elementos, a molécula e a célula viva – até o magnífico mamute. Eles também trabalham instintivamente dentro dos pais, impulsionando-os a unirem-se, conceberem, carregarem e criarem a sua prole.

Alguns pais se ausentam depois do nascimento de seus descendentes, sejam eles ovos, filhotes ou seres humanos. Estes são os pais cujo sentido de “Eu original” é maior que seu instinto inato de paternidade.

É neste ponto que você deve se tornar plenamente consciente do significado de IMPULSO.

Pode ser que você ache que esta é “uma forma de criatividade muito nebulosa”. Porém se refletir durante algum tempo, talvez se dê conta, no final, de que nenhum ser humano, animal ou inseto, nem mesmo uma planta, empreende alguma atividade na dimensão material sem uma pressão interior da “consciência” – a qual é o “impulso” . Este pode ser o de virar-se para o Sol, correr, comer, trabalhar, dormir, fazer compras, ter um filho. Sempre o “impulso” precede a atividade – inclusive a de piscar os olhos.

E mais, não há nenhum impulso que inicie uma atividade que não esteja dirigida por algum propósito. As plantas giram as flores e as folhas para captar os raios do Sol necessários ao seu crescimento, as pessoas correm para manter a forma, comem para satisfazer a fome, trabalham para ganhar a vida, dormem para escapar das tensões e recarregar as suas energias, vão às compras para se suprir de alimentos – tudo direcionado para a sobrevivência e o conforto pessoal.

Então, os IMPULSOS são a REALIDADE por trás e dentro da criação.

Se toda a matéria voltasse a sua forma original de partículas elétricas, os Impulsos Universais ficariam intactos e no final dariam forma a outra criação. Os IMPULSOS são para sempre. Entretanto, as partículas elétricas na “matéria” viva estão aqui hoje e amanhã terão desaparecido – mas a alma continua.

Você pensa com os impulsos elétricos no cérebro. Você sente com os impulsos magnéticos em seu sistema nervoso. Estes últimos centram e unificam os impulsos elétricos em um todo unificado. Sem a “ligação magnética” em seu sistema você seria apenas movimento sem conhecimento.

As Cartas de Cristo – Parte 76

Carta 5 – Parte 13 – A UNIÃO DO MASCULINO E FEMININO EVOLUINDO DAS ESPÉCIES VIVAS

(clique para ler no site do STUM)

A CONSCIÊNCIA UNIVERSAL foi DESPEDAÇADA! A VONTADE e o PROPÓSITO, “Pai” INTELIGÊNCIA e “Mãe” AMOR NUTRIÇÃO, foram explodidos para trabalharem de maneira independente, mas também conjuntamente. Os seus respectivos “instrumentos” foram a Eletricidade e o Magnetismo.

Da explosão do EQUILÍBRIO veio a GRANDE INTENÇÃO DE AUTOEXPRESSÃO.

“A Consciência Universal do SER” – se converteu no:

Impulso da consciência individualizada do “Eu” demandando autoexpressão.

A VIDA e o “Eu original”* são sinônimos na dimensão da “matéria”.

Eles se converteram na consciência da “matéria”.

É Pai – Inteligência >> e >> Mãe – Amor

O impulso de movimento >>> O impulso de Propósito
– nutrição – sobrevivência.

Visto como eletricidade >>> Visto como Magnetismo

>>na Matéria<<

Comece a imaginar a explosão da CONSCIÊNCIA! Do CONHECIMENTO!

Para ajudá-lo a parcialmente visualizar o que ocorreu no momento do Big Bang, tente lembrar algum momento em que você também experimentou uma explosão em sua consciência. Isso ocorre quando você dedica todo o seu “ser” para alcançar algum objetivo importante. Você está a ponto de se engajar na execução de seus planos, em um estado de excitada antecipação – e alguma circunstância banal ou uma pessoa insensível o impede de realizar os objetivos que são tão caros ao seu coração. Como você se sentiria? A sua concentração seria dividida e você explodiria. Aqui, novamente, devo pedir ao meu Canal para enumerar alguns exemplos do que quero dizer em termos humanos, pois mesmo a “menor consciência terrena” é extraída da CONSCIÊNCIA UNIVERSAL.

– Imagine que você está no aeroporto, entusiasmado e preparado para desfrutar de férias inesperadas em um lugar distante. Ao chegar ao balcão de viagens, descobre que não existem documentos para você – não há passagens, não há informação de reserva para o voo e nem de hospedagem – embora tenha pago tudo com cartão de crédito. Como você se sentiria?

– Você está vestido com um traje muito caro, aguardando para jantar com alguns clientes importantes e está a ponto de concluir um grande contrato milionário. O garçom derruba um prato de comida quente sobre você. Como você se sentiria?

– Após fazer compras, você se dirige ao estacionamento e descobre que as rodas e as portas do seu carro foram roubadas – em pleno dia! Como você se sentiria?

– Com compaixão, você abre o porta-moedas para dar algumas ao mendigo inválido que choraminga; porém o homem se atira com força, rouba sua carteira e sai correndo como um atleta. Como você se sentiria?

Em todas estas circunstâncias você teria uma forte consciência de iniciativa em sua mente. A sua cabeça estaria cheia com um plano para sair e fazer alguma coisa, para realizar um certo propósito – pacificamente. A sua intenção estaria entrelaçada com o seu propósito – portanto, em equilíbrio – mas observe que sua tensão crescia na expectativa de se aproximar do seu objetivo. Quanto maior a tensão – maior a explosão.

De fato, você estaria no mesmo estado que a CONSCIÊNCIA UNIVERSAL/CONHECIMENTO INTENÇÃO “Pai” INTELIGÊNCIA em equilíbrio com “Mãe” PROPÓSITO, para dar o ser e a forma ao plano que você tem a intenção de criar.

Você pode imaginar o caos mental/emocional que se seguiria após sua explosão, a incapacidade de pensar com clareza, os pensamentos que viriam, um após o outro, exigindo expressão – nenhum deles sensato ou lógico?

Tente compreender que VOCÊ – uma forma individualizada – é o microcosmo do macrocosmo.

Você é a cabeça de um alfinete expressando a CONSCIÊNCIA/CONHECIMENTO UNIVERSAL, – seja quando, em equilíbrio, medita aquietando o pensamento, – seja como consciência ativa, quando pensa e sente, projeta e cria.

Portanto, se você puder relacionar a sua minúscula explosão de consciência com a explosão dos “céus”, terá uma pequena ideia do caos que se seguiu – momentaneamente – tanto na DIMENSÃO UNIVERSAL – quanto nos éons de tempo, dentro da nova expansão criada na dimensão “matéria”, ainda em seu estado sem forma.

Assim, muitos de vocês terão que reorganizar totalmente suas ideias a respeito da criação.

Ela iniciou em uma condição de caos total. OS IMPULSOS UNIVERSAIS foram divididos. Não havia um projeto para dirigir ou controlar o início da individualidade. Os IMPULSOS estavam ainda sem nenhuma “forma consciente” ou direção. Eram IMPULSOS NATURAIS para realizar certas funções impulsivas, distintas na CONSCIÊNCIA; porém, não estavam inteligentemente dirigidos para um específico movimento ou ligação, por nenhuma Força Diretiva superior. Eles estavam sós. IMPULSOS DA CONSCIÊNCIA/CONHECIMENTO separados e perdidos, capazes de receber impressões. Porém, não havia outras impressões para receber além daquelas do caos interior do “movimento – atividade” da eletricidade e da “ligação – repulsão” do magnetismo.

E este CAOS de CONSCIÊNCIA foi manifestado na criação como caos de partículas.

Nessa expansão do caos de partículas elétricas, entretanto, existia a consciência primordial do “Eu superior”.

Não importando qual fosse o caos, o “Eu superior” veio através da Intenção “Pai” para deslocar-se, tomar o controle, criar.

O “Eu superior” tomou forma inicial em uma carga positiva de energia elétrica. Converteu-se em força “Eu” dominante sob a forma de um próton com seus satélites de carga elétrica negativa – sobre o qual a “Mãe” Propósito de ligação foi ativada, sob a forma de uma carga elétrica positiva encontrando-se com uma carga elétrica negativa.

Eles “se afeiçoaram”, como se poderia dizer de dois seres – masculino e feminino evoluídos das espécies vivas – e se uniram.

A “Mãe” Propósito de repulsão foi ativada quando pareceu provável que duas cargas elétricas positivas ou duas negativas iriam se encontrar e reagir negativamente – ela se interpôs e as separou – exatamente como a sua parte fêmea evoluída, uma mãe, separaria a dois brutos turbulentos e agitados a ponto de envolverem-se em uma briga.

Essa foi a única forma de consciência/conhecimento no caos durante muitíssimo tempo – ainda que o tempo não tenha nenhuma importância no reino da matéria em si. O tempo somente tem importância quando há um contato de conhecimento consciente entre cargas elétricas, resultando em ligação ou repulsão; quando há uma progressão de aproximações e eventos que ocorrem; e quando há propósitos a serem alcançados.

Fora disso, o tempo não tem sentido.